27 de abr de 2018

JUBILEU DO CÍRIO DE ESTANDARTE - 90 ANOS



A Bela Ilha Estandarte estará comemorando no dia 14 de agosto de 2018 o Jubileu dos 90 anos do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Será uma grande festa dedicada em louvor e honra à Mãe de Deus!

Desde já a comunidade católica da Ilha se prepara para este dia solene de muitas alegrias e bênçãos. Os filhos da terra e devotos de Maria virão, com muita fé, de vários lugares para se juntarem aos filhos que aqui residem. Como sempre, é um momento de júbilo, devoção e confraternização da grande família estandartense que se une para louvar a Virgem Maria!
São 90 anos de muita fé, devoção e amor à Maria Santíssima, representada pela Imagem de Nossa Senhora de Nazaré que aqui aportou trazida por Maria Antônia, vinda de Belém do Pará, em agosto de 1928 para nos dar tamanha graça! Em 13 de agosto foi realizada da primeira trasladação e no dia 14, o primeiro Círio, cujo traslado foi do Sítio da Valentina para a então Capelinha de Nossa Senhora do Livramento no bairro do Alto, quando a comunidade inteira se enfeitava de bandeirinhas para saudar a Virgem Mãe, mas era no coração de todos os devotos que estavam os enfeites que com alegria entoavam cantos e orações. 
E Deus via que era bom e, assim, abençoou nosso Círio de Nazaré – a maior festividade de Ilha.
Agradável aos olhos de Deus, como uma forma não só de manifestação de fé, mas de oração, evangelização e serviços da Igreja dedicados Àquele que é digno de adoração e de todo o nosso amor, Nosso Senhor Jesus Cristo, será uma festa grandiosa quando haverá além das celebrações religiosas, casamentos, batizados, os festejos culturais.
Nos primeiros dias do próximo mês de maio a Coordenação estará reunindo o para escolher o Tema, projetar o Cartaz e os convites.

Aguardem e sejam todos bem vindos à Festa da Mãe de Deus!

21 de abr de 2018

EXPERIÊNCIA MISSIONÁRIA NA BOLÍVIA


Por Diác. Henrique Baltazar


Grato à Deus Onipotente por suas graças e bênçãos manifestadas nesta oportunidade de fazer esta experiência missionária em terras bolivianas, obediente ao mandato de Nosso Senhor que disse: “Fazei discípulos, entre todas a nações” (Cf. Mt 28,19), saí de terras brasileiras (Diocese de Zé Doca - Maranhão - Brasil), sem ouro e nem prata, mas com o coração aberto e com a consciência de que “a Igreja Peregrina é, por sua natureza, missionaria, pois ela se origina da missão do Filho e da missão do Espírito Santo, segundo o desígnio de Deus Pai.” (Ad Gentes,2)
Os primeiros dias foram oportunos para conhecer a realidade boliviana, pontos turísticos, praças igrejas, culinária, vida eclesial, e todos os aspectos da vida social da cidade em geral. Pude perceber que, mesmo sendo um território latino americano, existem muitas diferenças e belezas de modo geral no jeito de ser e de viver do povo boliviano.

Um País com uma pluralidade de culturas, povos, tradições e costumes, porém como fato importante que também percebi, é que nestas diversidades está a presença de Deus em cada rosto e em cada gesto de acolhida, de felicitação e de alegria.


Depois de conhecer algumas localidades próximas à cidade de Cochabamba, chegou a hora de iniciar a missão. Depois de muitas festas, celebrações e danças, chegou a hora de iniciar a missão na Paróquia Missionária Santo Eugenio de Mazenod, no bairro Villa Pagador, na Cidade de Cochabamba, sendo então acolhido por Pe. Radomiro  Orlando (natural da Bolívia) e pelo vigário paroquial Pe. Antero Berboso (Natural das Filipinas).


Nas primeiras semanas, a paróquia recebeu, como presente de uma família, um Ícone da Virgem de Socavon de Oruro, que será entronizada no novo templo paroquial que está em construção. A acolhida da imagem foi feita com uma missa solene e procissão até ao Centro de Evangelização Santo Inácio, onde o ícone permanece, ficando então numa pequena capela para veneração dos fiéis.
Num ambiente de oração diária, diálogo e fraternidade, partilhamos juntos os compromissos diários da paróquia como: Missas, celebrações diárias, semanais e dominicais, na matriz e comunidades, benção das casas e orações nas famílias, exéquias e visitas aos enfermos. Na vida pastoral também trabalhamos com a formação doutrinal da juventude, comissão nacional de justiça e paz, catequese, coroinhas e liturgia em geral.




Tive também a graça de viver e ajudar a celebrar durante a semana santa, fazendo assim uma experiência enriquecedora de espiritualidade e retiros.  Percebi que povo boliviano cultiva uma grande devoção à santa Cruz de Nosso Senhor, sendo também muito positiva a grande participação do povo nas celebrações da paixão, morte e ressureição de Cristo.  A conclusão da semana santa, com a missa do domingo de páscoa, foi marcada pela abertura da catequese em toda a paráquia com missa solene presidida pelo pároco Pe. Radomiro e concelebrada pelo vigário paroquial, Pe. Antero.
Assim, diante desta nova fase da missão, venho expressar com alegria: Obrigado Diocese de Zé Doca, na pessoa do nosso Bispo, Dom João Kot, ao clero, religiosos e religiosas, ao povo de Deus das paróquias, pastorais, grupos e movimentos, amigos e familiares, por esta bela oportunidade, orações e apoio neste caminho missionário e nesta jornada confiada pela Igreja, a mim e ao Diácono Emerson Adriano!

Desejo a todos felicidades, invocando a benção de Deus Todo Poderoso, por intercessão de Santa Terezinha e a proteção da Santíssima Virgem Mãe Aparecida!

 
  













28 de nov de 2017

RECOMEÇO, VIDA QUE SEGUE NA ILHA


            Hoje, olhando para trás, observa-se com certa tristeza que, após a febre do facebook e do watsapp, este blogger ficou abandonado e pouco visitado. Todavia, resolve-se atualizá-lo com novas notícias interessantes da Bela Ilha Estandarte. Passaram-se mais de um ano sem uma sequer notícia.
No entanto, antes de falar da ilha querida, precisa-se tomar posição e dar um grito e dizer o que incomoda os brasileiros em todos os cantos do Brasil. É claro que não são todos que se sentem insatisfeitos e prejudicados porque, infelizmente, ainda existem aqueles que, por politicagem ou ingenuidade, ainda defendem os desmandos, a ingovernança e os crimes cometidos contra a Nação que chora dias amargos nunca vistos antes e nem vividos em plena “democracia”. São muitos os pesares que assolam o cenário político deste “gigante país” que no momento se encontra agredido, humilhado e envergonhado por tantos crimes cometidos contra o povo, sem que este possa se defender, visto que o nosso sistema de defesa – o Judiciário – que, atualmente, apenas como uma figura decorativa, é omisso. Crimes denunciados, comprovados, confessados permanecem impunes e os que já foram condenados estão sendo absolvidos ou tendo suas penas reduzidas. A quem recorrer?
                Apesar dos pesares, em Estandarte, o ano de 2017, de certa forma, ocorreu com a tranquilidade de sempre da vida interiorana, nada diferente: os mesmos acontecimentos, os mesmos serviços, as mesmas amizades, os mesmos amigos cada vez mais amigos, as mesmas cores que pintaram a ilha ainda são as mesmas que colorem seu horizonte e também seus celeiros de amor e de paz dos filhos da terra; o patrimônio continua inalterado, apenas desgastado, carecendo de um olhar mais cuidadoso para que o vento parado sopre mais forte, levando a ociosidade de quem não trabalha, mas só atrapalha.
                É tempo de colorir a vida, é tempo de colorir a ilha. Vamos lá meus pescadores! Vamos lá meus professores! Vamos planejar o ano vindouro! Quem sabe a esperança nos aporta com mais vigor e mais fortes os valores!
   É Natal que já vem trazendo Jesus, a nossa Luz!
   É a virada do Ano que já vem chegando!
   É carnaval alegre e festivo que não nos faz mal!
   E festa de escola, da quadra junina e jogo de bola!
   É Círio de Nazaré, a caminhada de Fé!
   É festa da Pátria! Que Pátria? A nossa, assim mesmo amada!
   É o aniversário da Bela Ilha, nosso amor e nossa vida!
   Enfim chegou Natal outra vez!
                 Vamos viver a vida na Ilha! 
                Comecemos o ano de 2018!
                Em paz e harmonia, solenemente cantando,
                A esperança que nos acompanha
                E assim vamos caminhando!

28 de out de 2016

FILHOS DE ESTANDARTE PARTICIPAM DO XVII CONGRESSO EUCARÍSTICO NACIONAL EM BELÉM DO PARÁ

Por: Luis Henrique Nina Baltazar


INTRODUÇÃO
              Foi com muita alegria que participamos pela primeira vez de um Congresso Eucarístico Nacional (CEN) e que este ano foi realizado em Belém do Pará, no período de 15 a 21 de agosto, ocasião, certamente, de grande enriquecimento eclesial, espiritual, vocacional, e pastoral para toda a Igreja. Contei com a companhia de meu amigo e companheiro de caminhada, o Seminarista Emerson Adriano e da Religiosa da Diocese da cidade de Bacabal-MA, a Ir. Brandina, além da companhia, hospedagem e apoio da família Miranda e da família Farias.






             A Eucaristia é o maior tesouro da Igreja Católica, porquanto é a presença do próprio Jesus Cristo no meio do povo de Deus. O povo das Escrituras caminhava para a terra prometida, levando consigo a Arca da Aliança, com as Tábuas da Lei, sendo orientado por meio de Moisés e seus colaboradores. O povo do Novo Testamento caminha na história, em vista de novos céus e novas terras, levando consigo Jesus Cristo, alimentado pela Palavra das Escrituras e pela Eucaristia.
             Um Congresso Eucarístico, portanto, quer reafirmar esta certeza: Ele está no meio de nós! É um convite a todos que creem nesta verdade: Vinde e Vede! (Jo 1,39). Um Congresso Eucarístico quer ser a convergência de todas as pessoas que professam a fé católica na realidade da Santíssima Eucaristia e que desejam dar um testemunho público de sua fé na presença real do Senhor Jesus, animando, consolando e convertendo os fiéis. O Congresso Eucarístico é uma demonstração pública de nossa fé pessoal: anunciamos sua morte e proclamamos sua ressurreição! Vinde Senhor Jesus!

HISTÓRICO
             O primeiro Congresso Eucarístico foi celebrado em 1881 em Lille (França), por iniciativa de um grupo de fiéis leigos, apoiados por São Pedro Julião Eymard. Foi uma celebração solene, do qual participaram fiéis e bispos de vários países da Europa. De lá para cá, outros países quiseram repetir a essa importante iniciativa da Fé Católica no mundo.
             Desde o início, os Congressos Eucarísticos tiveram três características essenciais:              1) Aprofundar a doutrina cristã sobre a Eucaristia; 2) Prestar culto público e solene ao Santíssimo Sacramento: adoração e reparação; 3) Manifestar a universalidade e unidade da Igreja.
Posteriormente, os Congressos Eucarísticos passaram a se preocupar também com outros aspectos sócio-políticos diversificados e temáticas específicas: Irradiar para a Igreja e para a sociedade os frutos da Eucaristia na ação social.
             Seminários temáticos para públicos específicos: crianças, jovens, militares, universitários, operários, políticos, empresários, casais, idosos, doentes, deficientes, prisioneiros, dependentes de drogas, marginalizados e excluídos. Os principais temas foram: Eucaristia e Missionariedade; Eucaristia, Evangelização e Meios de Comunicação Social.
             Para atingir seus objetivos, os Congressos Eucarísticos realizam atividades diversificadas como: Reflexões teológico-pastorais; Solenes celebrações litúrgicas; Programas populares de educação da fé: missões populares; Jornadas sociais em favor dos pobres e excluídos.
              No Brasil já foram realizados dezessete Congressos Eucarísticos Nacionais, sendo o primeiro realizado em Salvador – Bahia em 1933 e os demais em várias capitais e cidades conforme demonstra o quadro a seguir.
ANO
LOCAL
TEMA
1933
BAHIA.JPG Bahia - Salvador
"Vinde, adoremos o Santíssimo Sacramento"
1936
Libertas.jpg Minas Gerais - Belo Horizonte
"Luz e Vida"
1939
Pernambuco.gif Pernambuco - Recife
"A Eucaristia e a vida cristã"
1942
Flags.SP.jpg São Paulo - São Paulo
"Vinde a mim todos"
1948
Bandeirars1.jpg Rio Grande do Sul - Porto Alegre
"Ação Social"
1953
Bandeira Para.jpg Pará - Belém
"A Sagrada Eucaristia, sacramento da unidade e da comunidade"
1960
Bandeira parana.jpg Paraná - Curitiba
"Eucaristia, luz e vida do mundo"
1970
Bandeira7.jpg Distrito Federal - Brasília
"A mesa do Senhor"
1975
Bandeira-amazonas.jpg Amazonas - Manaus
"Repartir o Pão"
10º
1980
Bandeira-ceara-2.jpg Ceará - Fortaleza
"Para onde vais?"
11º
1985
Flags.SP.jpg São Paulo - Aparecida do Norte
"Pão para quem tem fome"
12º
1991
Bandeira do rio grande do n.jpg Rio Grande do Norte – Natal
"Eucaristia e Evangelização"
13º
1996
Es.gif Espírito Santo - Vitória
"Venham para a Ceia do Senhor!"
14º
2001
Flags.SP.jpg São Paulo - Campinas
"Fonte da missão e Vida solidária"
15º
2006
Bandeira Santacatarina.jpg Santa Catarina - Florianópolis
"Ele está no meio de nós!"
16º
2010
Bandeira7.jpg Distrito Federal - Brasília
"Eucaristia, pão da unidade dos discípulos missionários"
17º
2016
 Resultado de imagem para bandeira do pará vetor Pará - Belém

“Eucaristia e partilha na Amazônia missionária”

            O 16º Congresso Eucarístico Nacional, realizado em Brasília, de 13 a 16 de maio de 2010, teve como tema “Eucaristia, Pão da Unidade dos Discípulos Missionários” que inspirado na V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe que aconteceu em Aparecida em maio de 2007.
               O Papa João Paulo II esteve presente em dois CEN, sendo o primeiro em Fortaleza - CE (1980) e o segundo em Natal - RN (1991). Nos demais ele foi representado por um Enviado Especial.

EM BELÉM
               O XVII CEN aconteceu em Belém do Pará, nos dias 15 a 21 de agosto de 2016, com o tema: “Eucaristia e Partilha na Amazônia missionária: Eles o reconheceram no partir do Pão” (Lc 24,35).
              Para esta ocasião o Papa Francisco enviou como Legado Pontifício o Cardeal Dom Claudio Hummes (Arcebispo Emérito de São Paulo e Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia). Neste ano está sendo celebrado o quarto centenário da cidade de Belém que foi no dia 12 de janeiro e do início da Evangelização da Amazônia. Completam-se ainda os 110 anos de elevação da então Diocese a Arquidiocese e Sede Metropolitana.

SIMPÓSIO TEOLÓGICO
            Como parte da programação do CEN-2016, além das missas, workshops e conferências com variados temas referentes à Liturgia e à Eucaristia, participamos, também, de Simpósios Teológicos, dentre ele destacamos os seguintes:
-“A ESPIRITUALIDADE LITURGICA A LUZ DO CONCILIO VATICANO II”,
 que teve como Assessor Dom Marcony – Bispo auxiliar de Brasília e Frei Faustino Palludo – CNBB
-“LEX ET CHARITAS” A EUCARISTIA À LUZ DO CÓDIGO DO DIREITO CANÔNICO DE 1983, cujo Assessor foi dom José Aparecido Gonçalves de Almeida, Bispo auxiliar de Brasília, Doutor em Direito Canônico e que foi subsecretário do Conselho Pontifício para os Textos Legislativos (2010-2013) e atualmente é consultor da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.
             A Igreja de Belém, assim como as de todo o país, certamente colherá muitos frutos deste grandioso acontecimento religioso, através da Comissão de Organização, que assim declara:
“O XVII Congresso Eucarístico Nacional – CEN2016, que foi realizado na cidade de Belém do Pará, de 15 a 21 de agosto de 2016, vem em um momento oportuno, pois desejamos tornar visível em todo o Brasil a força da Eucaristia e ação missionária na Amazônia; de um povo de fé, que testemunha com sua cultura e maneira de ser, uma Igreja viva no Norte do Brasil. Por isso o CEN2016 teve como tema “Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária” e como lema “Eles o reconheceram no partir do Pão”.
            Agrademos a Deus a e Diocese de Zé Doca, na pessoa do Bispo Diocesano Dom João Kot OMI, pela oportunidade, apoio e incentivo que nos foram dados e que certamente darão muitos frutos na nossa vida vocacional, espiritual e pastoral bem como para toda a Igreja particular de Zé Doca.

            Agradeço à Família Miranda especificamente a Degmar, Iolanda e Almira Miranda Lobato que também se fizeram presentes no CEN. Estendo meu agradecimento Marcilene Farias e família que me acolheram e me acompanharam durante estes dias que passei na cristianíssima e mariana Cidade Guajarina de Santa Maria de Belém do Grão Pará, Belém da Amazônia, Belém de Nazaré, Belém do Pará.

14 de set de 2016

EM ESTANDARTE, "O CÍRIO DA MISERICÓRDIA"

Por Henrique Baltazar

Considerando o Ano Santo da Misericórdia (dezembro de 2015 a novembro de 2016), instituído pelo Papa Francisco, a Igreja Católica Apostólica Romana celebra, em todos os cantos do mundo onde se faz presente, "a misericórdia como plano de Deus e projeto de vida dos fiéis católicos para a convivência com os irmãos e salvação". Assim o programa de vida é: "Sede misericordiosos como o Pai" (Lc 6,36).
Assim também, com esse mesmo sentimento e objetivo, a Comunidade Católica de Nossa Senhora de Nazaré em Estandarte, pertencente à Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, se preparou para realizar o Círio de número 88 em honra e louvor à sua Padroeira,  com o tema: "Maria, consoladora dos aflitos, Mãe de Misericórdia".
Desde o dia 19 de julho iniciaram as peregrinações pelas ruas e casas da localidade, onde a comunidade foi convidada a refletir sobre a misericórdia de Deus por meio do sim de Maria, Mãe de Misericórdia, missionária e evangelhizadora ao lado do seu Filho Jesus e dos Apóstolos, e também sempre junto do povo, especialmente dos mais necessitados e aflitos.
No dia 06 de agosto por volta das 06h, à imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré foi trazida em procissão de volta à Igreja após percorrer todos os bairros de Estandarte. O momento foi marcado pela alvorada com fogos, orações e café comunitário como forma de saudação à Maria pelos estandartenses. Nesse mesmo dia, às 19h, foi realizada a abertura solene da festa do Círio de Nazaré 2016, com missa presidida pelo Pároco Padre Raimundo Pereira (Padre Nato).
Entre os dias 07 e 12 de agosto a programação seguiu com celebrações eucarísticas presididas por diversos padres da Diocese de Zé Doca, leilões, shows religiosos, atividades culturais e das crianças. Também foi feita a apresentação do Manto que foi usado na Trasladação e no Círio, o que ocorreu com a participação de grupos, pastorais e movimentos da comunidade matriz de Cândido Mendes e da Paróquia de Amapá do Maranhão.
Na véspera do Círio, dia 13 de agosto, foi realizada por volta das 14h mais uma bonita Procissão  do Mar, ou seja, sobre as caudalosas águas do Santa Cruz, rio que banha e margeia a Bela Ilha Estandarte. Este dia encerrou com a Santa Missa na Praça, seguida da Trasladação com as imagens do Sagrado Coração de Jesus e de Nossa Senhora de Nazaré rumo sua capela do Sagrado, no Bairro 7 de Setembro, onde pernoitou para no dia seguinte acolher todas as orações, pedidos e promessas dos romeiros e devotos filhos de Estandarte e seus convidados.
E como “NA ALMA ESTANDARTENSE É SEMPRE AGOSTO”, o dia 14 não poderia ser diferente. Por volta das 6:30h sai a Berlinda de Nossa Senhora de Nazaré, antecedida pelo Andor de Jesus, carros de anjos, barquinha de marinheiros e muitos outros símbolos significativos que fazem parte da tradição de maior festa religiosa de Estandarte, que em frente a várias  residências a Berlinda, lindamente decorada com flores lilás e folhagens naturais de bambu, faz uma parada para receber homenagens das famílias em agradecimentos por granças alcançadas de Deus por intercessão de Nossa Senhora, 
Este é um momento lindo e divino, o ápice da festa, quando o povo vai oferecendo flores e amores, suas alegrias e dores, mas com fé segue cantando louvores. Tudo isso ao som do hino “VOIS SOIS O LÍRIO MIMOSO” tocado instrumentalmente pela Banda Cantídio Gouveia, a famosa BANDA FURIOSA de Bragança-Pará. 
A bela festa é encerrada com a missa campal, onde uma grande multidão se faz presente para receber a Jesus Eucarístico e a bênção de Deus Pai. E assim mais um Círio de Nazaré acontece pelas ruas de Estandarte, momento em que muitas graças e bênçãos são derramadas por meio da Mãe de Nazaré em Estandarte - a Bela Ilha. 

1 de out de 2015

O MARIANISMO MARANHENSE E SUAS EXPRESSOES NO CULTO MARAIANO

Por Henrique Baltazar

              O marianismo presente na região maranhense, especificamente na região litorânea da Diocese de Zé Doca, possui grandes influências da devoção popular trazida através de promesseiros do Estado do Pará. O culto prestado à Maria, chamada de Nossa Senhora de Nazaré, se traduz na realização dos chamados “Círio de Nazaré.”
             O nome origina-se da grande vela do círio pascal que era acesa e levada na procissão noturna que conduzia a imagem de Nossa Senhora de Nazaré em Belém do Pará, da sua Basílica para a Catedral Metropolitana.
             A História do Círio de Nazaré em Belém tem início a partir do achado de uma imagem de Nossa Senhora por um caboclo chamado Plácido, no local que, há 222 anos atrás, havia apenas um igarapé chamado de Murucutu e onde hoje se localiza a Basílica Santuário de Nazaré. A cada ano esta procissão do Círio em Belém aumenta em número de participantes de diversas partes do mundo.
              Em Estandarte (Comunidade do Município de Candido Mendes, localizada na região de praias), há 87 ano, uma promesseira do Círio de Belém, chamada Maria Antônia, que veio morar em Estandarte, iniciou a devoção à Nossa Senhora de Nazaré, através de uma procissão que saiu, no final da tarde do dia 13 de agosto da Capelinha de Nossa Senhora do Livramento (localizada no bairro do Alto) para o Sítio da Sra. Valentina Queiroz, iluminada por balões de velas, de onde voltou no dia seguinte (14) pela manhã bem cedinho, retornando para a referida capela.
             Com o passar do tempo e das gerações, esta festa religiosa dos católicos nesta vila foi assumida por outras famílias que a cada ano se revezavam na organização deste evento. Dizem os antigos que a Sra. Maria Antônia ficou à frente da organização e realização desta festa por vários anos e a partir daí várias coordenações do círio foram se sucedendo, sendo até hoje a coordenação da comunidade católica é quem organiza e realiza este grande e festivo evento, juntamente com o povo católico da vila, fazendo-se presentes também os filhos e amigos da terra espalhados por Belém, São Luís, Bragança e outras cidades. O Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Estandarte acontece sempre no mesmo dia: 14 de agosto.
             Esta festa cresceu muito e sofreu várias alterações, sendo incluídas outras atividades, como acontece atualmente com as peregrinações que iniciam a quadra nazarena no final do mês de julho com terços e ladainhas realizadas pelas famílias, e a partir do dia 06 até o dia 12 de agosto acontecem as novenas bastante festivas com alvoradas, café da manhã, orações, missas leilões e celebrações. E, assim, a festa dedicada à Nossa Senhora de Nazaré a cada ano vai ganhando forma e peculiaridades, sem mudar o seu grande objetivo que é louvar a Mãe de Deus.
            O ponto alto se realiza nos dia 13 e 14 com uma extensa programação, já com a presença em grande massa do povo, do pároco, de padres filhos da terra, convidados e do ministério de música da paróquia. No dia 13 pela manhã ou conforme o horário da maré, a procissão marítima conduz a imagem em procissão com várias embarcações pelo Rio Santa Cruz que circunda a Ilha Estandarte, à tarde são realizados os batizados e à noite a missa com casamentos e em seguida a trasladação da imagem da Virgem Maria para a Capela do Sagrado Coração de Jesus. No dia seguinte (14) pela manhã cedo é realizada a grande procissão – o Círio – que encerra com a Missa na Praça Nossa Senhora de Nazaré.
              A berlinda é carregada pelos fieis sendo conduzida pelas ruas e por uma corda puxada pelo povo até chegar à praça onde se realiza a missa campal, a consagração e a benção final com a imagem. A berlinda é enfeitada com flores e o manto bordado com pedrarias, lantejoulas, fios dourados entre outras especiarias, sendo ambos doados por promesseiros filhos da terra.
             Uma semana depois é realizado o Recírio, uma procissão que há 5 anos passou a fazer parte do calendário das festas deste evento de Estandarte, com o objetivo de separar as atividades religiosas das mundanas que chegavam a tumultuar e prejudicar as atividades do dia 15 que era destinado ao dia da Padroeira de Estandarte, visto que é um dia santo (dia da Assunção de Nossa Senhora). Atualmente o Recírio é a última homenagem do povo à Maria neste período dedicado ao culto mariano.
             Nos últimos anos tem se travado uma grande batalha para separar as atividades religiosas das atividades profanas, cujo barulho dos grandes sons da região chamados de aparelhagens, a venda e o consumo de bebidas alcoólicas atrapalham a realização das atividades da Igreja, ao mesmo tempo em que contradizem com o grande objetivo do evento que é conduzir os fiéis a um verdadeiro encontro com Jesus por meio de Maria.
          O Círio de Nazaré une e reúne as famílias, parentes e amigos que moram longe e que aproveitam o período do Círio para se confraternizarem. É também um momento de alegria e renovação da fé católica, não deixando de ser um lindo tempo de evangelização, além da exposição cultural e artística da ilha.
              Como se observa, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Estandarte tem o seu formato próprio, mas seguindo o modelo do grande evento de Belém com suas atividades religiosas e culturais.
            Algumas fotos a seguir ilustram este texto, demonstrando a expressão dos filhos de Estandarte com o compromisso de fazer do culto à Maria um caminhar para Deus.